sexta-feira, 13 de novembro de 2015

Envelhecidas amizades


Sinto o fardo de novas amizades
Já não mais gosto das mesas longas
Prefiro as curtas
E amizades envelhecidas
o sorriso de quem distante pulsa
é a inercia em que permaneço
se a dor infelizmente fibra
É a presença do avesso
Dos versos destes que não transcrevo.

Leandro Tavares – Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...