quarta-feira, 20 de abril de 2011

Não há de ter dolo um sorriso verdadeiro


Que tua melodia fique pelo ar.

E seu estado inabalável flor.

O teu bailar um copioso luar.

E teu sorriso seja eternamente em cores.

Que nas estações

Possa sempre chamar-se fina flor.

E com o passar dos anos.

Como gotas em oceanos

Beirando a primavera

Não seja amor profano.

Ao amanhecer

Leve a magia da vida sem ira.

Não há de ter dolo um sorriso verdadeiro

Quem carrega consigo um amor inteiro.


Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Brincos-de-princesa


Quando o 46° canto do galo ecoar na madruga.

A dor,

O desengano,

Estará à frente

Da felicidade

Tatuada no peito.

E tudo imerge

Daquilo que a água

Tornou-se.

As ríspidas

Lágrimas

Caíram no cálice

Onde o sangue se mistura.


Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

quinta-feira, 7 de abril de 2011

Há um sorriso em casa esquina


Dentro das imperfeições humanas, do anacronismo popular, de uma torpe coletividade disfarçada por chuvas de abraços e beijos fingidos, que jogam presentes amores em ruínas de terrores, os sonhos que nos relembram o cheiro bom da saudade de pesado pérfido ficaram. Sempre tenho em mente ter pessoas queridas ao meu lado, não vejo sementes, nos decepcionamos talvez por querer medir o que sentimos por essas pessoas, pelos sentimentos delas em relação a nós, ERRO.

Imaginemos pontos peculiares ao nosso dia a dia, a última cerveja, o último cigarro da mesa, os últimos míseros centavos, não escondam, compartilhem a mesa a franqueza.

Não quero ser o último, nem o primeiro a ser lembrado, não desejo ser apenas uma folha em branco onde o poeta não se alimenta, e por mérito do tempo a folha envelhecida se desmancha, sou apenas a ovelha desgarrada do rebanho do pastor, que a lobrigar está a esperar, por que não pulsar a felicidade do amigo? Somos ou simplesmente tentamos ser pássaros livres que voam ao caminho do amanha, pássaros que fogem do inverno em busca do verão.

Ao passado, tépidos beijos e abraços, aos amigos, torçam, vibrem, fiquem felizes por ver o sorriso de quem tanto chorou em paz.

Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

segunda-feira, 4 de abril de 2011

A casa


Sou cacto

O cálice

A última gota do inicio

Do fim.

O voou da asa que rasteja o chão

Sou terra que busca chuva.

Sou morada, infinita revoada.

Sou a casa que acolhe o tédio

E onde se esconde o perdão.

Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...