segunda-feira, 31 de maio de 2010

VIA COLORIDA


Hoje ouvir a melhor melodia
Que eu possa retratar o que sinto
Colorir a cor da via
Desvendar os passos do peito

Ouvir a poesia que afague
Nutrir sonhos límpidos
Andar com passos firmes
Olhares e sorrisos brandos

De onde eu vim
Os sonhos não criam rugas
Pois andam sem pressa
E sem medo de partir

Aparte mim
Chegar
Encontrar um jardim
E ver se pode amar

Baerdal
Cálice sem fim.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...