sábado, 3 de julho de 2010

I stopped


Parei no tempo

No contra tempo do meu peito

Onde ele é o meu maior tormento

Percorra não se atrase

Deixa-me sem tempo

Tempo, faz essa saudade correndo

Chegar ao seu ventre

Flua com pressa

Atenta de apanhar o nosso tempo



Baerdal

Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...