sábado, 14 de agosto de 2010

Um pouco de música pra mim


Eu tenho pra mim que aquele amor
Não era só pra dizer - era nada
- eu tenho pra mim que aquele amor
Não era só pra dizer - não tem nem rumo.

Tu trazias pássaros entre os dedos
Tu regias o fogo fantástico da constelação
Tu brincavas com dez sóis desafinando
Os eclipses das almas alheias
Tu abrias o sonho louco do querer em excesso
Tu puxavas um armário aberto balançando um lençol azul
Tu cantavas docemente no meio do vento e
Todo momemto é uma maravilha
Tu sopravas a vida pulsando belamente
Tu andavas pela cidade e nós amantes éramos
Um filme de cores antigas e fortes
Tu erguias a gambiarra acústica do coração

Pelos pátios partidos em festa


Validuaté

Cálice sem fim

Um comentário:

  1. Meu querido!!
    O Caio é um encanto mesmo, me indentifiquei bastante com esse texto dele, obrigada pelo carinho. Fique sempre a vontade.
    te beijo,
    Cê.

    ResponderExcluir

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...