quarta-feira, 13 de abril de 2011

Brincos-de-princesa


Quando o 46° canto do galo ecoar na madruga.

A dor,

O desengano,

Estará à frente

Da felicidade

Tatuada no peito.

E tudo imerge

Daquilo que a água

Tornou-se.

As ríspidas

Lágrimas

Caíram no cálice

Onde o sangue se mistura.


Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

4 comentários:

  1. Em suave mistura,
    inebria a dor, o sentir
    mescla o amor e amargura
    sente a vida, ninguem lhe segura
    Em suave brinde
    exalta o dia
    a noite a alegria
    do coraçao vem o timbre
    Da lágrima, colhe o sentimento
    Ecoa o grito o lamento
    Extravassa neste momento
    acalento
    ao relento
    lento
    como o vento
    suave como o tempo

    Em tempo este abraço de uma amiga

    ResponderExcluir
  2. saudade de você também meu querido!
    Estávamos ausentes da vida um do outro, mas agora, voltamos de novo.
    Tatuagens estão sem a mostra, então que assim seja a nossa felicidade!

    ResponderExcluir
  3. Ora, ora...olha quem fala?
    Um poeta e historiador, tal e qual.
    Adorei o post. Hummm quantosaos encantos, bem, eu também pinto e fotografo...rs
    Beijos

    ResponderExcluir

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...