sábado, 14 de maio de 2011

DANS LA PREMIÈRE ANNÉE.


Alvorada de encantos.
No teu beijo um recomeço.

O dia dos cantos.
A um começo sem prantos.


Seremos sempre amor em sonhos.
Declarado
que alguns dias foram neves,
Mas outros fomos chamas,
Incêndios que liquefazem as almas.

Sinto o compasso de nossos corações,
Mesmo ao longe colido com suas batidas,
Embora pareça um delírio,
Fujo do meu “eu’’ e torno-se “teu”.

Preciso do aborrecimento, do apetite, dos nãos,
Quero o ósculo que não desperte dor,
Ser antídoto, ser doença, ser paixão,
Quando um ano chegou, já éramos amor.


Leandro Tavares - Baerdal

Cálice sem fim

5 comentários:

  1. a gente sempre precisa de tudo isso!

    ResponderExcluir
  2. "Quero o ósculo que não desperte dor,
    Ser antídoto, ser doença, ser paixão,"
    Quantos sentimentos em duas frases...
    Voilá meu amigo,invejo-te.

    ResponderExcluir
  3. Olá, boa noite!
    Eu vim te convidar a visitar meu blog de Poesias.
    Se gostar e quiser me SEGUIR, vou gostar de ter seus coments. Saúde e alegrias duradouras. Já tesigo com alegria. Felicidades!!!
    Abraços,
    João Ludugero, poeta.
    www.ludugero.blogspot.com
    Até mais! Adorei seu blog.

    ResponderExcluir
  4. Para ser real, um dia foi sonhado
    terás em teus braços, querido poeta
    todo o teu amor aconchegado
    nao apenas em sonhos, disto, estou certa!

    ResponderExcluir
  5. Ola,
    Deixo um carinho, um mimo, um cadinho de cor, tem selinho pra ti em: http://tintadotinteiro.blogspot.com/2011/07/amo-esse-blog.html

    Abracos da Mari

    ResponderExcluir

Gangorra

Quando cerraste os dentes da partida, acalmei a dor da carne nua com compressas de icebergs, para tentar abrandar a saudade que achinca...