sexta-feira, 1 de março de 2013

Aleivosias


Do que adianta dissimular?
Ontem uma alma sangrou
Despedaçou um coração que sempre te quis merecer
Aleive petulante burlou.

Pela dor dos aleives
Essa alma sem cor fincou
O que é amor, animosidade aperfeiçoou.
Só não entendo o motivo de alternativas falsas.

Se tudo dói quando se desfaz
E esse amor de tarde sem sol
Que por aleivosias não se põe
Se der mais esse amor corrói.

A verdade nunca se engana
Com aleivosias não se ganha, barganha.
Amor Insano
Que de lágrimas nascem feridas
Cicatrizes...
Em mim, NÃO SÓ DOR MACHUCA.
Aleivosias...


Leandro Tavares - 
Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...