quarta-feira, 10 de abril de 2013

Das horas que crio


Da vida faço cantos
Rimo a grande rima
Em imos de poesias.
Derreto em mim sorrisos dispersos
Em ruas vazias.
Reinvento metamorfoses diárias
E diante de todos
Fotografo o dia à noite, o mar e às vezes rio.

Cálice sem fim
Leandro Tavares - Baerdal

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...