segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A mais santa

Deito-te no leito e improviso uma rima
Do teu riso, faço um meticuloso poema
Rodoaneis, transverso papel.
Dos teus lábios...
Lambisco a doçura
Reinvento o mel.
Das tuas curvas sinuosas
Transgrido as leis, os sinais.
De tuas elevações maliciosas
Embriago-me em travessuras
Me entrego a mais santa
Abalrôo o céu.

Leandro Tavares - Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...