segunda-feira, 23 de setembro de 2013

A princesa e o bobo

Se um dia a princesa
Com a sua beleza
Cortejar a riqueza
De um poeta a grandeza.
Mastigo e imploro
O sumo de um verso
Procuro e rastejo
A sobra do inverso.
Quero ter a certeza
De um dia
Entre tantos
Da minha tristeza
Não ter sido em vão.
Vou à realeza
Nem que seja de bobo
Pedindo licença
Chamando meu povo.
Observo à faceta
De um bando de tolos
Se fazendo de corte
Zombando do bobo
Esquecendo a grandeza
Do poeta do povo
Que só quer o sorriso
Da sua princesa
Esquecida na torre.


Leandro Tavares - Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...