segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Arritmias

Quem vive a ilusão de amar
E acredita veemente no não
É sabedor da angustia
que o pune diariamente.
Não há sorriso que resista
Rosas e abraços que mereçam
Sonhos vivos e um mundo torto
Pele quente, mãos tão frias...
 “Arritmicas” solidão
Da negativa de denunciar calado coração.
De nobre
À pobre
Há porres todos os dias...

Leandro Tavares – Baerdal

Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...