quarta-feira, 30 de abril de 2014

O velho piso


Se passar a dor
Em um universo irregular
Esquecerá as paixões
Em ecos pendulares
Em cada esquina
Plantará um resto de mim
Daquilo que sobrou
Subjugando o eu.
Quando cair a primeira gota d’água
E florir as primeiras flores
É o sinal que finda minha primavera.
Dos botões
Caíram minhas dores
E quem acolherá?
Se não aqueles
Que ainda não pisaram
No velho batido chão
Carregado de tépidos amores.

Leandro Tavares - Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...