quarta-feira, 24 de junho de 2015

Circulo vicioso


Torna-se um vicio
Recinto do circulo
A geometria esporádica do sofrer
As fugas que foram mandíbulas do meu sofrimento
Paz que sonhei que viria encontrar
O afeto de uma junção secundária
O pensamento inconsequente
O tempo maior tormento e ensinamento
Palavras execráveis de um voraz arrependimento
Tranca-me em pontos ridículos
A linha incerta de uma figura insana
Uma diagonal impura de uma sabatina
Se for capaz, faça-me em pontos seguros
A longitude da tua agonia
Pensamento maduro a latitude da minha loucura
E o meu vicio um feliz e triste delírio
Aquele telefonema

A parte da minha maior loucura.

Leandro Tavares - Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...