quarta-feira, 22 de julho de 2015

EVASÕES EM GAVETAS


Já caminha a música sobre as letras de uma torta caneta
esquecido debaixo da poeira, nos papéis da gaveta...
saltitam sobre os peões, Josés e Marietas
envolvem ladrões perdidos em fendas
E barbilhões a observar
uma velha máquina de datilografar...
escritas deste pobre poeta, de imaginar sentimentos muito além das letras
a beira de tantos becos e outros erros
Ecos de um sonhado poeta.
De tardes montanhosas
De sóis de um só riso
Esquecidos nos barros dos pés.
A limpar com papeis de todos o Josés
De todas Marietas...
Longas noites de infinitas gavetas.


Leandro Tavares - Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...