segunda-feira, 30 de agosto de 2010

Rodeios sem afetos


As intermitências.

As reticências.

Tenha paciência.

Diante de tanta demência.

As transformações metafísicas de uma metáfora da plataforma poética.

Aos suspiros interplanetários dos murmúrios fugazes.

As intermitências...

As reticências...

Tenha paciência,

Diante de tanta demência.

As conturbações poéticas.

As ilusões metafísicas líricas.


Infinitas inclinações de meandros, que se vê e que não passa.


LEANDRO TAVARES - Baerdal

Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...