quarta-feira, 13 de outubro de 2010

"De repente, não mais que de repente"


Foi como o poeta se expressou: “De repente, não mais que de repente,” sorrindo dentro de um possante opala negro, desce com todas as poupas com sua voz de estremecer o silêncio da noite a chamar por mim, eu que estava sentado no terraço no vazio de meu banco, retornando após a procura incansável da felicidade, miro a penumbra e levanto já sem forças, foco nos seus olhos e sem rodeio pergunto, o que desejas senhor?

Com socos de poesias, chutes sem rimas, puxadas em fortes versos, puxões de sonhos em golpes certeiros no peito, deixou-me estatelado no chão com hematomas e dores de saudades.

Com olhar em rios de brasas foi-se embora sem responder-me.


LEANDRO TAVARES - Baerdal

Cálice sem fim

17 comentários:

  1. Adorei seu blog!
    Muito obrigada por passar lá no meu cantinho! Foi muito bom conhecer o Cálice sem fim :]

    ResponderExcluir
  2. Beba sempre do cálice, pois ele é sem fim.
    Sinta-se à vontade Barbara!

    ResponderExcluir
  3. E a dor da alma doi mais q tudo!

    brigada pela palavras,
    bjo ;)

    ResponderExcluir
  4. Dor de poeta só é bonita aos olhos alheios. Aos seus próprios, é como se fosse morrer aos poucos.

    ResponderExcluir
  5. Lua, é realmente a pior de todas as dores.
    Não há dor maior, e o corpo só aprisiona.
    seja bem vinda.

    ResponderExcluir
  6. Renata, Cada ser humano curte sua dor no nível em que se encontra. A dor é a perene modeladora de destinos. E é na fornalha da tribulações que o ente se aperfeiçoa e se redime. O poeta, esse mágico do verbo, cuja vida tem um ritmo diferente, convivendo com a dor viril diante do enigma, empreende uma ascensão através dela que o conduz, não sem esforço, a uma aristocracia do espírito.

    Você é sempre bem vinda.
    Grande Abraço

    ResponderExcluir
  7. Gostei muito da sua visita, das suaa palavras e desse blog tão lindo. Já te sigo e vou voltar para aprender novas palavras.
    Beijo
    Denise

    www.odeliriodabruxa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. são dessas idas sem respostas que nascem lindas palavras...

    você escreve magicamente !

    parabéns !

    beijo


    te sigo :)

    ResponderExcluir
  9. Denise sinta-se acolhida nesse refugio de palavras.
    Obrigado pelas palavras.

    ResponderExcluir
  10. Solange, grato pelas palavras, quando assim desejar venha sempre beber deste cálice que te serve.

    Grande abraço de Baerdal

    ResponderExcluir
  11. Bravíssimo!!!

    Gostei da forma como escreves, descreves e sustentas a intensidade nas letras.

    Beijo meu.

    ResponderExcluir
  12. ...come e bebe Baerdal, põe-se de pé!
    a jornada, ainda é longa.Prossiga!

    BeijITinhos de IT

    ResponderExcluir
  13. E vai ser assim It, "caminhando e cantado"
    Obrigado pela força.
    Abraços

    ResponderExcluir
  14. Porque pancada de saudade é a que dói mais, te entendo amigo.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  15. Sempre dói amiga minha.
    Beijo de Baerdal.

    ResponderExcluir

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...