sábado, 30 de outubro de 2010

Um dia eu disse que...



Talvez seja tanto que não haja explicação. Não, não há. São coincidências de filmes, de músicas, de prazeres é segurança quando eu preciso. São sorrisos doces e “bons dias” mais doces ainda. São tantos, e tão especiais que não há cronologia ou seqüência, é só a minha imensa vontade de fazer eterno. E assim será. Assim é.
Por me fazer acreditar. Por me dar coragem. Por me dar a mão. Por me deixar ser seu. Por me trazer a paz.
Ultrapassaria o limite de caracteres, mas não. Basta a sua mão no meu cabelo e um dia cinza se faz em aquarela, com cores que só o meu amor conhece.

Um dia eu disse...

LEANDRO TAVARES - BAERDAL
Cálice sem fim

12 comentários:

  1. que lindo Baerdal!
    basta um sorriso de quem amamos pra ficarmos inspirados assim né?
    saudade daqui

    ResponderExcluir
  2. Que linda declaração!

    Eu acho que quando o amor é intenso nos perdemos um pouco nas memórias! É tudo tão vivo que se confude.

    :) acho que seu texto fala muito disso, passando para desejar pra ti muitas e muitas inspirações como essa.

    Niemi

    ResponderExcluir
  3. As boas lembranças ficam gravadas na memória e suscitam as mesmas emoções de outrora. Não há explicação, apenas o desejo de reproduzir e eternizar a sensação agradável do que foi. E assim a vida segue em curso e discurso que traçamos no caminho. A coragem, caro poeta esta dentro de ti acredita! Novos “bons dias” virão, alguns especiais outros nem tanto. Um dia você disse... e dirá novamente, talvez outras palavras, mas o sentimento este é inerente a ti!

    ResponderExcluir
  4. Olá! Vim aqui hoje para pedir desculpas pela demora de te responder! Você comentou na postagem de aniversário do meu blog e eu não entrei mais lá depois daquele dia... portanto, me desculpe pela demora!

    Agradeço muito pelo comentário, e quero dizer que seu blog está muito lindo! Amei essa postagem *-*
    Beijos, até mais ♥

    ResponderExcluir
  5. Baerdal,

    essa foi a coisa mais linda que li nesta semana... e olha que estou lendo até Clarice (mais uma vez)...

    você falou o amor... assim quase sem respirar... como é o amor... assim quase sem respirar !!!!!

    maravilhoso.

    parabéns !!!!!

    beijo

    ResponderExcluir
  6. É verdade Andressa, basta esse sorriso. e como é gostoso.

    ResponderExcluir
  7. Obrigado Buba, mas não se atenha ao detalhe, pois os teus olhos carregam uma sensibilidade cheia de cores.

    Abraços

    ResponderExcluir
  8. Amiga Mari, são dessas palavras cheia de ternura e paz que criamos forças, tua forma de sentir e me passar teus versos me traz sempre uma alegria e força para seguir esse caminho.
    Gosto por demais da sua presença aqui.

    ResponderExcluir
  9. Obrigado Barbara, sinta-se sempre a vontade.

    abraços

    ResponderExcluir
  10. Que coisa boa de se ler hein Solange, muitíssimo obrigado por essas lindas palavras que teceu.
    e falar do amor é sempre assim, ele é quase sem respirar.

    Um imenso abraço Solange.

    ResponderExcluir
  11. Niemi fiz um dia essa declaração e não arrependo nenhuma virgula sequer , pois esse amor foi vivo ele foi latente a sua interpretação foi por demais coerente, as vezes realmente nos perdemos na memória, acredito que ele o (Amor) desfruta da memória para sentir-se vivo.

    Sim espero que possa ter essas inspirações mesmo que as vezes possa vir carregadas de dores.

    Você é sempre bem vida no cálice.

    ResponderExcluir

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...