sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Entre vôos



Esse fio roxo jardim
Com a libido de Hamadryas
Retirando-a da linda grama
Aos poucos o néctar provando
que desce da janela abaixo.
Atentos olhos em deleite
A pisar em gravetos e ouvir barulhos pelo ar.
Asas a bater, emaranhando o cadente sob frio.
Sugar o corpo de tal zelo
A sobrevoar belos morros
Entre laços das pernas entre pernas
Sobre pernas
Sob corpo.
Aceso os corpos de tanto fogo
Cravando asas e zunidos
Vôos frenéticos ao sul
A entrar
Depois sair
Voejar
Pousar
“casulando”

Leandro Tavares – Baerdal
Cálice sem fim

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Will e Louisa, como eu sou depois de vocês.

Olha o sonho de estradas esquisitas, a maturação do que é solidez e a continua ausência de quem partiu dos nossos braços. Tem que fic...